You are using an outdated browser. For a faster, safer browsing experience, upgrade for free today.
A Mulher Ideal

Livro: A Mulher Ideal

Autor - Fonte: Phyllis Halldorson

1 / 60 Próxima

... To choose a wife Phyllis Halldorson Resumo Apaixonando-se por Marc, Susan corria o risco de sofrer uma séria desilusão. Phyllis Halldorson Quando Marc Donatello seguiu aquela loira deslumbrante pelo corredor do hospital, jamais poderia imaginar que se tratava justamente da mulher com quem seu pai planejava casá-lo. Ele era o filho mais velho do clã dos Donatello e devia deixar um herdeiro, para que o nome da família não desaparecesse. Esse era o desejo de seu pai, que estava condenado por uma doença incurável. Dividido entre a vontade de satisfazer papa Vito e a raiva por vê-lo interferir em sua vida, Marc não sabia como escapar daquela noiva tão linda e desejável. Digitalização Joyce Revisão Irany Capitulo I A Ferrari vermelha vinha pela rodovia em louca disparada, mas para Marco Donatello, o homem moreno que estava ao volante, parecia arrastar-se. O rapaz pisou fundo no acelerador, desejando desesperadamente chegar o mais rápido possível ao hospital da Uni¬versidade de Minneapolis. Vito, o papa, o paizão, estava interna¬do lá, com risco de vida. Marco soltou uma praga. Talvez fosse uma brincadeira de mau gosto do irmão mais novo, Benedetto, sob o efeito de alguma be¬bedeira. Há menos de uma hora ele lhe telefonara, comunicando-lhe que o pai estava no hospital e que os médicos haviam diagnos¬ticado leucemia. Não dava para acreditar. Mas Ben pouco bebia, e nunca ficava embriagado. A voz dele soara como a de alguém em estado de choque, e não em estado de embriaguez. Com habilidade, Marco manobrou o possante carro esporte, ul¬trapassando os demais veículos pela esquerda e pela direita, ten¬tando chegar o mais depressa possível ao seu destino. Parecia-lhe estar vivendo um daqueles pesadelos em que se quer chegar cor-rendo a algum lugar, mas o corpo caminha em câmera lenta. Na verdade não havia tanta pressa. O que Marco queria era es¬tar ao lado do pai, a fim de lhe dar apoio e demonstrar solida¬riedade. Leucem ...
a. Como era possível que aquela doença maligna tives¬se tomado conta do sangue de Vito? Pelo que se lembrava, o pai¬zão nem sequer tivera uma gripe! Sempre fora um homem grandalhão, de voz grossa e possante, que vendia saúde. Mesmo agora, aos cinqüenta e seis anos, seus músculos eram rijos como os de um jovem, pois ainda tinha o hábito de carregar e descarre¬gar os caminhões, pegando pesados fardos durante as visitas diá¬rias que fazia aos vinte e cinco supermercados de sua propriedade, a rede Donatello, mais conhecida como a Don\\\'s de Minneapolis e St. Paul. Nos últimos trinta anos, sua pressão arterial sempre fora está¬vel, e só recentemente Vito começara a usar óculos para ler de perto. Nem mesmo sua virilidade havia diminuído, fato que poderia ser comprovado por pelo menos duas mulheres, desde que ele per¬dera a esposa, a mãe de Marc e Ben, há cinco anos. Marc sorriu. Nunca entendera como Lisa, a loira de olhos azuis, tipicamente anglo-saxônica, conseguira atrair a atenção do pai, um italiano fanático que não abria mão de sua nacionalidade nem por conveniência. Ele se casara com uma moça americana, mas des¬cendente direta de pais italianos, e fazia questão absoluta de que os filhos seguissem seu exemplo. Ben já seguira a trilha imposta pelo pai, e Marc provavelmente faria a mesma coisa quando decidisse assentar e constituir família. Lisa e Sofia, uma calabresa fogosa, podiam ter esquentado a ca¬ma de Vito, mas nunca tomaram o lugar de Maria, a bem-amada esposa, no coração do velho. Droga! O papa não podia morrer assim! Tinha de haver algum engano. Nonno Giovanni, o pai de Vito e fundador da rede de su¬permercados Donatello, vivera até os oitenta anos! Passava das quatro horas quando Marc parou o carro no esta¬cionamento do campus da Universidade de Minneapolis e saiu cor¬rendo em direção ao prédio do hospital. Encontrou Ben no saguão, e sua primeira reação foi de raiva. - Por que ninguém me avisou de ...

Anterior 2 / 60 Próxima
Comentários:
Resa Mello: História tranquila e boa.06/21 ***.
Irene: A leitura é mais ou menos..
Bruna: Perfeito 30/07/2018.
Lila: Bom de ler, mas é um romance simples..
Mary Santos: Muito lindo amei eles são simplesmente demais .
jo: bom....
Deixe aqui seu comentário sobre este livro:
Nome:
Comentário: