Whats: (11)991916085


VÍDEO: É O FIM DO MUNDO OU O COMEÇO

Você está em: Página inicial / Marcantes / A Noiva Perfeita - Brenda Joyce Página 2
A Noiva Perfeita - Brenda Joyce

Livro: A Noiva Perfeita - Brenda Joyce Página 2

Autor - Fonte: Brenda Joyce

Ir para a página:
...uele momento. O pior era que tampouco recordava nada de sua mãe, e quando observava seu retrato, que ocupava um lugar de honra sobre a escadaria da casa, via uma senhora bonita, mas que lhe era estranha. Além disso, havia algum lugar de sua mente que estava povoado por imagens do passado, escuras e violentas, por monstros que sempre estiveram ali. Blanche sabia da mesma maneira que outras pessoas diziam que viviam com um fantasma, ou tal e como um menino tinha um companheiro imaginário para brincar. Mas não importava, porque ela nem sequer queria identificar seus demônios. Pelo resto, quantos adultos eram capazes de recordar como era sua vida antes dos seis anos? Entretanto, não tinha derramado uma só lágrima de pesar desde aquele tumulto durante o qual sua mãe tinha morrido. A tristeza também estava além das capacidades de seu coração. Blanche era consciente de que se diferenciava de outras mulheres; e esse era seu segredo. Seu pai conhecia toda a verdade, e o motivo daquela diferença. Pelo contrário, suas duas melhores amigas pensavam que um dia Blanche se converteria em uma mulher tão apaixonada e insensata como elas. Suas duas melhores amigas estavam esperando que se apaixonasse perdidamente. Blanche sempre foi sensata. Naquele momento, voltou-se para Bess. —Não. Não acredito que tenha motivo para atrasar o inevitável. Papai tinha sessenta e quatro anos, e teve uma vida maravilhosa. Certamente, ele quer que eu siga adiante tal e como tínhamos...
planejado. Bess a rodeou com um braço. Tinha o cabelo castanho, uns olhos verdes espetaculares, uma figura exuberante e uns lábios carnudos, que, segundo ela, os homens adoravam. Uma vez, Blanche desejou ser como sua amiga, ou ao menos, uma versão atenuada dela. Entretanto, recentemente se deu conta de que não ia mudar. Por mais coisas que lhe oferecesse a vida, ela ia vivê-la sensata e serenamente. Não haveria drama, nem tortura, nem paixão. —Sim, isso é certo. Passa a vida se escondendo — disse Bess — Por mais triste que seja Harrington morreu. Não ficam desculpas, Blanche. Ele já não está aqui para seguir te adorando. Se continuar te escondendo, ficará sozinha. Era incrível, mas não sentiu quase nada ante a menção do nome de seu pai. Estava intumescida, quando deveria ter chorado e soluçado; estava dura desde sua morte. A tristeza que sentia era uma onda suave, quase indolor. Sentia sua falta, como não sentiria falta? Seu pai foi o pilar de sua vida do terrível dia da morte de sua mãe. Oxalá pudesse chorar de tristeza e de indignação. Entretanto, só notou uma leve umidade nos olhos. Blanche sorriu com uma expressão sombria e se afastou da janela. —Não estou me escondendo, Bess. Ninguém dá tantas festas como eu em Londres. —Esteve te escondendo da paixão e do prazer — replicou Bess. Blanche sorriu sem poder evitá-lo. Tinham falado daquilo em incontáveis ocasiões. —Não tenho uma natureza apaixonada — disse brandamente a sua amiga— E embora papai já não esteja graças a Deus tenho Felicia e ti. Eu amo muito as duas. Não sei o que faria sem vocês. Bess pôs os olhos em branco. —Vamos te encontrar um jovem bonito que te adore, Blanche, para que por fim possa viver sua vida! Pensa! Há mais de duzentos pretendentes, e pode escolher entre todos eles! Blanche sentiu uma pontada de insegurança. —Tenho medo de semelhante avalanche — disse— Como vou escolher? As duas sabemos que todos são caçadores de fortunas, e meu pai desejava algo melhor para mim. —Mmm… Não me ocorre nada melhor que um caçador de fortunas de vinte e cinco anos! Sempre e quando for muito bonito e viril. Blanche, que estava acostumada a aqueles comentários, nem sequer se ruborizou. —Bess. —Será feliz quando tiver um marido vigoroso, querida, ouça o que eu digo. Quem sabe? Possivelmente termine com sua indiferença por tudo o que te oferece à vida. Blanche sorriu, mas sacudiu a cabeça. —Isso seria um milagre. —Uma boa dose de paixão pode ser milagrosa! —exclamou Bess com seriedade— Estou tentando te alegrar. Felicia e eu lhe ajudaremos a escolher, a menos, claro, que ocorra um milagre e te apaixone. —As duas sabemos que isso não vai acontecer. Bess, não ponha essa cara tão triste! Tive uma vida quase perfeita. Desfruto de muitas benções. Bess negou com a cabeça com tanta angústia quanto à alegria que demonstrou um momento antes. —Não diga is...
ndamente a sua amiga— E embora papai já não esteja graças a Deus tenho Felicia e ti. Eu amo muito as duas. Não sei o que faria sem vocês. Bess pôs os olhos em branco. —Vamos te encontrar um jovem bonito que te adore, Blanche, para que por fim possa viver sua vida! Pensa! Há mais de duzentos pretendentes, e pode escolher entre todos eles! Blanche sentiu uma pontada de insegurança. —Tenho medo de semelhante avalanche — disse— Como vou escolher? As duas sabemos que todos são caçadores de fortunas, e meu pai desejava algo melhor para mim. —Mmm… Não me ocorre nada melhor que um caçador de fortunas de vinte e cinco anos! Sempre e quando for muito bonito e viril. Blanche, que estava acostumada a aqueles comentários, nem sequer se ruborizou. —Bess. —Será feliz quando tiver um marido vigoroso, querida, ouça o que eu digo. Quem sabe? Possivelmente termine com sua indiferença por tudo o que te oferece à vida. Blanche sorriu, mas sacudiu a cabeça. —Isso seria um milagre. —Uma boa dose de paixão pode ser milagrosa! —exclamou Bess com seriedade— Estou tentando te alegrar. Felicia e eu lhe ajudaremos a escolher, a menos, claro, que ocorra um milagre e te apaixone. —As duas sabemos que isso não vai acontecer. Bess, não ponha essa cara tão triste! Tive uma vida quase perfeita. Desfruto de muitas benções. Bess negou com a cabeça com tanta angústia quanto à alegria que demonstrou um momento antes. —Não diga isso! Embora nunca tenha se apaixonado, eu conservo a esperança de que um dia o faça. Oh, Blanche, não te dá conta do que está perdendo. Sei que acha que sua vida foi perfeita até que Harrington morreu, mas não é verdade. É uma ilha. É a pessoa mais solitária que conheço. Blanche ficou tensa. —Bess, este já é um dia difícil de por si só, com todos esses pretendentes esperando na porta. —Estava sozinha antes que Harrington morresse, e agora está inclusive mais sozinha. Detesto te ver assim, e acredito que o matrimônio e os filhos mudarão isso — afirmou Bess. Blanche se sentia tensa. Queria negar, mas sua amiga tinha razão. Por muitas visitas que fizesse e recebesse, por muitas festas que celebrasse, por muitos bailes que assistisse, ela era diferente, e sabia. De fato, sempre havia se sentido separada e desvinculada dos que estavam ao seu redor. —Bess, não me importa estar sozinha — disse, e era a verdade— Você não entende, mas vou ser sincera: sei com certeza que, quando me casar, seguirei estando sozinha em espírito. —Não estará sozinha em espírito quando tiver filhos. Blanche sorriu. —Ter um filho seria maravilhoso. Bess tinha dois meninos aos quais adorava. E apesar de suas aventuras românticas, era uma mãe maravilhosa. —Entretanto, embora tenha essa ideia fantástica de me emparelhar com um jovem viril, eu quero a alguém mais amadurecido, alguém de meia idade. Deve ser bom e ter força de caráter. Deve s...
so! Embora nunca tenha se apaixonado, eu conservo a esperança de que um dia o faça. Oh, Blanche, não te dá conta do que está perdendo. Sei que acha que sua vida foi perfeita até que Harrington morreu, mas não é verdade. É uma ilha. É a pessoa mais solitária que conheço. Blanche ficou tensa. —Bess, este já é um dia difícil de por si só, com todos esses pretendentes esperando na porta. —Estava sozinha antes que Harrington morresse, e agora está inclusive mais sozinha. Detesto te ver assim, e acredito que o matrimônio e os filhos mudarão isso — afirmou Bess. Blanche se sentia tensa. Queria negar, mas sua amiga tinha razão. Por muitas visitas que fizesse e recebesse, por muitas festas que celebrasse, por muitos bailes que assistisse, ela era diferente, e sabia. De fato, sempre havia se sentido separada e desvinculada dos que estavam ao seu redor. —Bess, não me importa estar sozinha — disse, e era a verdade— Você não entende, mas vou ser sincera: sei com certeza que, quando me casar, seguirei estando sozinha em espírito. —Não estará sozinha em espírito quando tiver filhos. Blanche sorriu. —Ter um filho seria maravilhoso. Bess tinha dois meninos aos quais adorava. E apesar de suas aventuras românticas, era uma mãe maravilhosa. —Entretanto, embora tenha essa ideia fantástica de me emparelhar com um jovem viril, eu quero a alguém mais amadurecido, alguém de meia idade. Deve ser bom e ter força de caráter. Deve s...

Ir para a página:
Comentários:
Mercy: Adorei....
Nair: Muito interessante. bem romântica. gostei. .
Rose: História de amor muito interessante, gostei muito!.
Rosângela: Maravilhoso.
Deixe aqui seu comentário sobre este livro:
Nome:
Comentário:

WhatsApp: (11) 9 9191 6085
Busca Google