Whats: (11)991916085


VÍDEO: É O FIM DO MUNDO OU O COMEÇO

Você está em: Página inicial / Inesquecíveis / Coração partido
Coração partido

Livro: Coração partido

Autor - Fonte: Carol Wagner

Ir para a página:

...Arrangements of the heart Carol Wagner Lori Fenton precisa de alguém para cuidar de seu filho. Matt Damschroeder precisa de dinheiro para salvar seu negócio. Nenhum dos dois imagina que o acordo de conveniência pode transformar-se em algo mais. Mas que pode deixar um dos dois de coração partido. Digitalização: Carla M. Revisão: Simoninha Copyright © 1994 by Carol I. Wagner / Marian F. Scharf Originalmente publicado em 1994 pela Silhouette Books, divisão da Harlequin Enterprises Limited. Título original: Arrangements of the heart Tradução: Débora S. Guimarães Todos os direitos reservados, inclusive o direito de reprodução total ou parcial, sob qualquer forma. Esta edição é publicada através de contrato com a Harlequin Enterprises Limited, Toronto, Canadá. Silhouette, Silhouette Desire e colofão são marcas registradas da Harlequin Enterprises B.V. Todos os personagens desta obra são fictícios. Qualquer semelhança com pessoas vivas ou mortas terá sido mera coincidência. Copyright para a língua portuguesa: 1994 CIRCULO DO LIVRO LTD A. EDITORA NOVA CULTURAL uma divisão do Círculo do Livro Ltda. Alameda Ministro Rocha Azevedo, 346 - 9 andar CEP: 01410-901 - São Paulo - Brasil Fotocomposição: Círculo do Livro Impressão e acabamento: Gráfica Círculo NOTA Se tivesse de fazer uma lista de comemorações sem as quais passaria muito bem, o Dia dos Namorados estaria no alto da página. Pe...
o menos era o que eu e minha irmã, Marian, A outra metade da equipe Marisa Carroll, pensávamos. Em Ohio, onde vivíamos, o Dia dos Namorados era a pior época do ano, quando o frio e a neve atingiam seu ponto máximo. Meu marido, Joe, e eu nunca planejávamos nada especial para a data, porque o clima provavelmente estragaria nossa diversão. Quanto a Marian, seu filho fazia aniversário exatamente no Dia dos Namorados, e a comemoração sempre precedia o romance. É assim que as coisas acontecem para Lori Fenton, heroína desta história. Garantir a rotina diária, executar seu trabalho e cuidar do filho são mais importantes que os assuntos do coração. Lori não tinha tempo para cupidos, flores e caixas de bombons em forma de coração. Não tinha tempo para o amor. Pelo menos, era o que ela pensava, até casar-se com Matt Damschroeder no Dia dos Namorados. Então, tudo mudou. E na vida real, as coisas são parecidas. Agora que meus filhos cresceram, meu marido e eu tiramos férias no inverno e sempre tomamos o cuidado de incluir nelas o Dia dos Namorados. No último ano, o presente que trocamos foi uma viagem à cidade maia de Tikal. O filho de Marian está cursando a Bowling Green State University e não precisa mais de festas de aniversário. Na verdade, agora ele tem uma licença de piloto e prometeu levar a mãe para um passeio de avião no próximo Dia dos Namorados, se o tempo permitir, é claro. A vida não é maravilhosa? Marian e eu desejamos que todos tenham um Dia dos Namorados cheio de amor e alegria, coroado por um céu azul e claro. CAPÍTULO I Sei que não quer ouvir, Lori — dizia a dou¬tora Gertrude —, mas não deve adiar a cirurgia. No momento sua condição é estável, mas como não sou cardio-logista, não posso dizer por quanto tempo o quadro se manterá inalterado. — Danny diz que tenho um coração partido — Lori respondeu, en¬carando a médica e amiga. — Ele é um garoto brilhante — sorriu. Trouxera o filho de Lori ao mundo, oito anos atrás, e a aconselhara a mantê-lo, quando todos achavam que devia dá-lo em adoção aos pais do namorado. Lori era jovem, pobre, e estava devastada com a recusa do amante em assumir o filho. Mas insistira em conservar o filho e a seu lado, e a ajuda de Gertrude fora valiosa para que pudesse manter a opinião, apesar de toda a pressão exercida pelos avós de Danny, ricos e influentes. — Tem certeza de que cirurgia é minha única opção? — Lori per¬guntou, banindo os terrores do passado e concentrando-se nos pavores do presente. — Não aconselharia o procedimento, se não o julgasse absolutamente necessário. — Não quero deixar a cidade. Não pode recomendar um bom ci¬rurgião aqui mesmo? — a paciente insistiu, apesar de já terem discutido o assunto dezenas de vezes. — Poderia, se a cirurgia fosse minha única preocupação. Mas estou tratando você toda, Lori, e não só o seu coração. Quero que fique fora de Nova York, longe da...
nham um Dia dos Namorados cheio de amor e alegria, coroado por um céu azul e claro. CAPÍTULO I Sei que não quer ouvir, Lori — dizia a dou¬tora Gertrude —, mas não deve adiar a cirurgia. No momento sua condição é estável, mas como não sou cardio-logista, não posso dizer por quanto tempo o quadro se manterá inalterado. — Danny diz que tenho um coração partido — Lori respondeu, en¬carando a médica e amiga. — Ele é um garoto brilhante — sorriu. Trouxera o filho de Lori ao mundo, oito anos atrás, e a aconselhara a mantê-lo, quando todos achavam que devia dá-lo em adoção aos pais do namorado. Lori era jovem, pobre, e estava devastada com a recusa do amante em assumir o filho. Mas insistira em conservar o filho e a seu lado, e a ajuda de Gertrude fora valiosa para que pudesse manter a opinião, apesar de toda a pressão exercida pelos avós de Danny, ricos e influentes. — Tem certeza de que cirurgia é minha única opção? — Lori per¬guntou, banindo os terrores do passado e concentrando-se nos pavores do presente. — Não aconselharia o procedimento, se não o julgasse absolutamente necessário. — Não quero deixar a cidade. Não pode recomendar um bom ci¬rurgião aqui mesmo? — a paciente insistiu, apesar de já terem discutido o assunto dezenas de vezes. — Poderia, se a cirurgia fosse minha única preocupação. Mas estou tratando você toda, Lori, e não só o seu coração. Quero que fique fora de Nova York, longe da cidade e do seu trabalho. Você está magra, abatida, prestes a ter um colapso físico generalizado, e isso é suicídio! — Não seja dramática! Sou uma mãe solteira, sem família, e com um garoto de oito anos para criar. Não acha que o stress é inevitável? — Você é uma mulher de trinta e dois anos, maníaca por trabalho, com uma séria patologia cardíaca e um filho de oito anos para criar. Se quer conhecer seus netos, fará o que estou dizendo sem discutir. Afinal, não quero mandá-la para o fim do mundo. — Não. Só para Ohio. — Meu cunhado é um dos melhores cirurgiões cardiovasculares do país, e o Hospital da Universidade de Ohio é conhecido em todo o mundo. — E tanto o hospital quanto o seu cunhado estão a oitocentos qui¬lômetros de Nova York e da Cárter, Finkbeiner e Strauss Investimentos. — Exatamente. Se quiser, poderá ficar em minha casa em Willow Creek. É um lugar grande demais para você e Danny, mas é bem con¬servada e fácil de manter aquecida. Os Damschroeder moram no alto da montanha, e são ótimas pessoas. A mãe de Serena Damschroeder era minha melhor amiga quando cheguei a este país, antes da guerra, e Serena é a pessoa certa para cuidar de Danny enquanto você estiver no hospital. — Não gosto da idéia de tirá-lo de perto dos amigos e da escola. Este é o único lar que meu filho conheceu, e um afastamento poderia ser traumático nesta idade. — Perder a mãe pode ser bem pior — a médica avisou com autori...
cidade e do seu trabalho. Você está magra, abatida, prestes a ter um colapso físico generalizado, e isso é suicídio! — Não seja dramática! Sou uma mãe solteira, sem família, e com um garoto de oito anos para criar. Não acha que o stress é inevitável? — Você é uma mulher de trinta e dois anos, maníaca por trabalho, com uma séria patologia cardíaca e um filho de oito anos para criar. Se quer conhecer seus netos, fará o que estou dizendo sem discutir. Afinal, não quero mandá-la para o fim do mundo. — Não. Só para Ohio. — Meu cunhado é um dos melhores cirurgiões cardiovasculares do país, e o Hospital da Universidade de Ohio é conhecido em todo o mundo. — E tanto o hospital quanto o seu cunhado estão a oitocentos qui¬lômetros de Nova York e da Cárter, Finkbeiner e Strauss Investimentos. — Exatamente. Se quiser, poderá ficar em minha casa em Willow Creek. É um lugar grande demais para você e Danny, mas é bem con¬servada e fácil de manter aquecida. Os Damschroeder moram no alto da montanha, e são ótimas pessoas. A mãe de Serena Damschroeder era minha melhor amiga quando cheguei a este país, antes da guerra, e Serena é a pessoa certa para cuidar de Danny enquanto você estiver no hospital. — Não gosto da idéia de tirá-lo de perto dos amigos e da escola. Este é o único lar que meu filho conheceu, e um afastamento poderia ser traumático nesta idade. — Perder a mãe pode ser bem pior — a médica avisou com autori...

Ir para a página:
Comentários:
Mary Santos: O romance é curto mais é simplesmente lindo amei .
Deixe aqui seu comentário sobre este livro:
Nome:
Comentário:

WhatsApp: (11) 9 9191 6085
Busca Google