Whats: (11)991916085


VÍDEO: É O FIM DO MUNDO OU O COMEÇO

Você está em: Página inicial / Apaixonantes / Armações De Amor
Armações De Amor

Livro: Armações De Amor

Autor - Fonte: Georgina Gentry

Ir para a página:

...My Heroes Have Always Been Cowboys Uma Mulher de Fibra The Great Cowboy Race Georgina Gentry Henrietta nunca imaginou que teria de cavalgar milhares de quilômetros em campo aberto, disfarçada de rapaz, mas ela faria qualquer coisa para escapar do pretendente indesejável que sua mãe lhe arranjara. A oportunidade de participar de uma corrida de cavalos seria a chance de ganhar o prêmio e conquistar sua independência. No entanto, Henrietta não contava com a presença de outro exímio cavaleiro, Jones. E de repente, o anseio pelo prêmio se tornou insignificante em comparação com o desejo por aquele homem. Sussurros ao Luar Moonlight Whispers Teresa Bodwell Desamparada em uma cidade longínqua, sem um centavo no bolso, Isabelle Milton está desesperada para sobreviver, até que o irresistível Luke Warring chega à cidade, como uma resposta às suas preces. Isabelle está disposta a fazer qualquer coisa por um teto e alimento, e a não se deixar intimidar pelo trabalho árduo na fazenda de Luke, mesmo naquele inverno rigoroso, pois ela logo descobre que há diversas maneiras de ela e Luke se manterem aquecidos. Digitalização e Revisão: Crysty Querida leitora, Você vai ler duas histórias distintas, porém igualmente encantadoras! Em Uma Mulher de Fibra, Henrietta se veste de homem para participar de uma corrida de cavalos com outros oito competidores. O objetivo era chamar a atenção do pai, mas o inesperado lhe prega uma peça quando col...
ca sem seu caminho o mais charmoso e intrigante dos participantes. Em Sussurros ao Luar, Isabelle enfrenta situações inusitadas quando se encontra sem um tostão no bolso. Viaja a procura do pai para ajudá-la a sobreviver. No entanto, suas reservas terminam em um vilarejo bem no meio de sua jornada. Isabelle havia sido criada como tantas outras moças da sociedade, cujo sonho maior era se casar. Como essa possibilidade estava cada vez mais distante, ela tem uma idéia inovadora, mas não menos chocante. Leonice Pompônio Editora Copyright ©2006 by Lynne Murphy - The Great Cowboy Race Copyright ©2006 by Teresa Bodwell - Moonlight Whispers Originalmente publicado em 2006 pela Kensington Publishing Corp. PUBLICADO SOB ACORDO COM KENSINGTON PUBLISHING CORP. NY,NY-USA Todos os direitos reservados. Todos os personagens desta obra são fictícios. Qualquer semelhança com pessoas vivas ou mortas terá sido mera coincidência. TÍTULO ORIGINAL: THE GREAT COWBOY RACE / MOONLIGHT WHISPERS (MY HEROES HAVE ALWAYS BEEN COWBOYS) EDITORA Leonice Pomponio ASSISTENTES EDITORIAIS Patrícia Chaves Silvia Moreira EDIÇÃO/TEXTO Tradução: Marianne Pelegrine ARTE Mônica Maldonado MARKETING/COMERCIAL Andréa Riccelli PRODUÇÃO GRÁFICA Sônia Sassi PAGINAÇÃO Ana Beatriz Pádua Copyrigh © 2010 Editora Nova Cultural Ltda. Rua Butantã, 500 — 10 andar — CEP 05424-000 — São Paulo - SP www.novacultural.com.br Impressão e acabamento: RR Donnelley Uma Mulher de Fibra The Great Cowboy Race Georgina Gentry Capítulo I Manhã de 13 de junho de 1893 Se não estivesse tão desesperada, Henrietta Jennings nunca teria fugido. O trem parou na estação com o maquinista gritando. — Chadron! Chadron, Nebraska. Desembarque liberado. Henrietta pegou a sua pequena valise e desceu na plata¬forma. Sabia que seu pai, que nunca conhecera, era dono de um rancho enorme nos arredores da cidade. Ainda não desco¬brira a razão que a levara a acreditar que ele lhe daria abrigo e a salvaria de um casamento de conveniência, que sua mãe estava determinada a fazê-la celebrar em julho. — O que está acontecendo? — ela indagou ao bilheteiro, assim que o encontrou em meio à grande aglomeração da estação. — Uma grande corrida de caubóis começa esta tarde, senhorita. O percurso é daqui de Chadron até Chicago. — Nossa, devem ser umas mil milhas até lá. — Acredito que seja mais de mil. Mas, por mil e quinhen¬tos dólares, uma sela Montgomery nova e uma pistola chique como prêmio, até eu tive vontade de entrar na corrida. Ela ficou intrigada, porém tinha seus próprios problemas para pensar. — Como chego até o rancho de Rocking J.? — Siga para o Norte por cinco milhas. Não tem como errar. Henry Jennings deve ter uns cinqüenta mil acres. — O senhor o conhece? — Foi difícil segurar a curiosidade. — Tem negócios com Henry? — indagou o homem, só então nota...
onnelley Uma Mulher de Fibra The Great Cowboy Race Georgina Gentry Capítulo I Manhã de 13 de junho de 1893 Se não estivesse tão desesperada, Henrietta Jennings nunca teria fugido. O trem parou na estação com o maquinista gritando. — Chadron! Chadron, Nebraska. Desembarque liberado. Henrietta pegou a sua pequena valise e desceu na plata¬forma. Sabia que seu pai, que nunca conhecera, era dono de um rancho enorme nos arredores da cidade. Ainda não desco¬brira a razão que a levara a acreditar que ele lhe daria abrigo e a salvaria de um casamento de conveniência, que sua mãe estava determinada a fazê-la celebrar em julho. — O que está acontecendo? — ela indagou ao bilheteiro, assim que o encontrou em meio à grande aglomeração da estação. — Uma grande corrida de caubóis começa esta tarde, senhorita. O percurso é daqui de Chadron até Chicago. — Nossa, devem ser umas mil milhas até lá. — Acredito que seja mais de mil. Mas, por mil e quinhen¬tos dólares, uma sela Montgomery nova e uma pistola chique como prêmio, até eu tive vontade de entrar na corrida. Ela ficou intrigada, porém tinha seus próprios problemas para pensar. — Como chego até o rancho de Rocking J.? — Siga para o Norte por cinco milhas. Não tem como errar. Henry Jennings deve ter uns cinqüenta mil acres. — O senhor o conhece? — Foi difícil segurar a curiosidade. — Tem negócios com Henry? — indagou o homem, só então notando as roupas sofisticadas dela. Ela achou melhor não contar que era filha dele já que não tinha certeza de em quem podia confiar. — Não, mas gostaria de saber como ele é. — Alto, magro, duro como um bife de búfalo. Olhos azuis como o gelo e cabelos claros. É um homem com o qual é melhor não mexer. — Ele é hospitaleiro com os visitantes? — Henrietta per¬guntou, depois de sorrir, encontrando uma semelhança com o pai. Naquele momento a curiosidade passou para o condutor, que a observou com maior atenção. — Ele não está no rancho. Coloquei seu vagão particular nos trilhos dois dias atrás. Há uma grande convenção de cria¬dores de gado em Omaha. Deve voltar daqui a uma semana. O que faria agora? Se esperasse uma semana por ali sua mãe e seu noivo acabariam por descobrir onde estava e viriam em seu encalço. Além de ter pouca idade, seu dinheiro era escasso. Só o desespero a fizera pegar sua égua árabe, Lady Jane, e rumar em busca do pai desconhecido, que nunca se dera o trabalho de responder às suas cartas todos aqueles anos. Caminhou até o vagão de gado para certificar-se de que a égua fosse desembarcada. Quando o trem partiu, ela ficou parada e indecisa entre sua única bagagem e a égua, tentan¬do resolver o que fazer. Sobrevivência não estava entre as matérias ensinadas na Academia para Moças da Srta. Priddy, em Boston. Entretanto ela sabia que Lady Jane precisava de ração e de descanso, então puxou o animal até uma e...
ndo as roupas sofisticadas dela. Ela achou melhor não contar que era filha dele já que não tinha certeza de em quem podia confiar. — Não, mas gostaria de saber como ele é. — Alto, magro, duro como um bife de búfalo. Olhos azuis como o gelo e cabelos claros. É um homem com o qual é melhor não mexer. — Ele é hospitaleiro com os visitantes? — Henrietta per¬guntou, depois de sorrir, encontrando uma semelhança com o pai. Naquele momento a curiosidade passou para o condutor, que a observou com maior atenção. — Ele não está no rancho. Coloquei seu vagão particular nos trilhos dois dias atrás. Há uma grande convenção de cria¬dores de gado em Omaha. Deve voltar daqui a uma semana. O que faria agora? Se esperasse uma semana por ali sua mãe e seu noivo acabariam por descobrir onde estava e viriam em seu encalço. Além de ter pouca idade, seu dinheiro era escasso. Só o desespero a fizera pegar sua égua árabe, Lady Jane, e rumar em busca do pai desconhecido, que nunca se dera o trabalho de responder às suas cartas todos aqueles anos. Caminhou até o vagão de gado para certificar-se de que a égua fosse desembarcada. Quando o trem partiu, ela ficou parada e indecisa entre sua única bagagem e a égua, tentan¬do resolver o que fazer. Sobrevivência não estava entre as matérias ensinadas na Academia para Moças da Srta. Priddy, em Boston. Entretanto ela sabia que Lady Jane precisava de ração e de descanso, então puxou o animal até uma e...

Ir para a página:
Comentários:
rafa: Gostei mais da segunda estoria.
Maria Dalvana: Amei duas estórias lindas vale a pena .
Mary Santos : Bom gostei das duas histórias .
Deixe aqui seu comentário sobre este livro:
Nome:
Comentário:

WhatsApp: (11) 9 9191 6085
Busca Google